Glossário

Glossário de Metal Duro

Abrasão

Remoção de partículas superficiais por fricção.

Abertura da fenda 

Largura com uma distância definida entre as duas arestas laterais da fenda.

Ápice da fenda

Ponto de ruptura extremo e agudo.

Parada da fenda

Ponto onde a fenda para de avançar.

Aspecto da fenda

Forma da fenda identificada em uma inspeção visual.

Faixas de fadiga

Conjunto de bandas que revelam a parada e o avanço da falha por fadiga.

Brasagem

A brasagem consiste em ligar peças metálicas com a ajuda de um metal de enchimento sem fundir as peças a serem montadas. O metal de preenchimento penetra através da capilaridade entre as peças a serem montadas.

Carga

É uma força capaz de superar a resistência do material a ponto de o deformar ou fraturar.

Porosidade

Micro espaços vazios entre os grãos.

Coeficiente de expansão linear

A expansão térmica dos corpos é uma propriedade típica dos materiais, que consiste em variar seu tamanho com o aumento da temperatura. A expansão térmica é definida por meio de um coeficiente de expansão térmica adequado, de modo que, em relação à variação física do corpo, sejam considerados: coeficiente de expansão térmica volumétrica; coeficiente de expansão térmica de superfície; coeficiente de expansão térmica linear.

 

Compactação isostática (prensagem isostática)

Nas técnicas de compactação convencionais, a pressão é aplicada uniaxialmente, de modo que a estrutura resultante seja irregular ou não uniforme em todas as direções. Na compactação isostática, a pressão é hidrostática e é aplicada à temperatura ambiente (prensagem isostática a frio – CIP) ou quente (prensagem isostática a quente – HIP). Isso é feito através de um fluido que não é mecânico, mas é uma pressão aplicada em todas as direções.

Corrosão

Fenômeno físico-químico que provoca a decomposição gradual das características do material, com a contribuição do ambiente que o envolve.

 

  • Catódica– Corrosão devido a correntes impressas. Ocorre quando as modificações do meio corrosivo causadas pela passagem da corrente do meio corrosivo para o material metálico (cátodo) tornam possível, em um ambiente alcalino, uma corrosão espontânea do próprio material.
  • Corrosão de contato– Corrosão localizada que ocorre na área em que dois materiais diferentes estão em contato um com o outro.
  • Difusa– Corrosão do material que afeta toda a superfície e cuja espessura do material dissolvido é, em média, igual.
  • Eletrolítica– decomposição química produzida por uma corrente elétrica.
  • Galvânico– Corrosão devido ao uso de corrente elétrica direta.
  • Localizada– Corrosão que afeta, em escala macroscópica, apenas uma parte da superfície do material metálico.
  • Seca– Corrosão de um material metálico que ocorre a altas temperaturas na ausência de água ou outro solvente.
  • Molhada– Corrosão que ocorre na presença de água ou outro solvente no estado condensado
  • Anódica– Corrosão devido ao fluxo elétrico que ocorre quando a dissociação do material metálico (ânodo) passa para o meio corrosivo (cátodo).
  • Atmosférica– Corrosão devido à condensação atmosférica na superfície do metal.
  • Uniforme– Corrosão difusa que afeta toda a superfície do material e onde a espessura dissolvida é a mesma em todos os pontos.
Craterização

Desgaste da ferramenta devido ao deslizamento da pastilha do material processado.

 Fenda

Descontinuidade microscópica ou macroscópica de um metal em que duas dimensões são definitivamente mais importantes que a terceira (comprimento profundidade largura). A presença dessa descontinuidade em um artefato sob pressão implica um aumento das tensões locais na parte superior da fenda.

 Fenda capilar

Fenda muito fina.

 Fenda de retificação (usinagem)

Geralmente rachaduras semelhantes a teias de aranha geradas por superaquecimento induzido por rebolos.

 Fenda superficial

Fenda que aparece na superfície e afeta camadas externas limitadas.

 Fendas por choque térmico

Fendas devido a mudanças de temperatura (resfriamento muito drástico ou aquecimento muito rápido).

 Descarbonetação

Processo (geralmente involuntário e indesejado) de remoção de carbono do metal duro, caso este seja colocado em contato com certas atmosferas, geralmente em altas temperaturas. A descarbonetação implica em um grave defeito no metal chamado phase-eta.

Deformação

Alteração da forma devido a causas mecânicas ou térmicas.

 Densidade

A densidade (mais corretamente denominada densidade ou massa específica) de um corpo é definida como a relação entre a massa do corpo e o volume do mesmo corpo.

 Defeito de utilização

Anomalia causada pelo uso incorreto da peça .

Defeito de acabamento

Anomalia, geralmente dimensional, causada pelos últimos estágios do processamento.

Dureza

A dureza pode ser definida metalurgicamente como a resistência de um material à penetração de um corpo mais duro. O teste de dureza é um teste convencional, estático e não destrutivo que é realizado submetendo uma amostra não unificada (deve ter faces paralelas) a uma tensão..

 
Eletro erosão
A eletro erosão é o processo pelo qual uma peça é aterrada utilizando as propriedades erosivas da descarga eléctrica.
 
Erosão

Remoção de partículas da superfície do metal por ação abrasiva de um líquido ou gás.

Força de ruptura transversal

A força de ruptura transversal é determinada colocando uma amostra padrão (para ASTM B-406, ISO 3327) entre dois suportes e carregando-a até o ponto de ruptura. O valor obtido é chamado de força de ruptura transversal ou força de coesão e é medido em relação ao peso que causou a ruptura. Este teste detecta a carga na área única da unidade e é expresso em psi ou N / mm2.

Fragilidade

Tenacidade insuficiente do material em relação às suas características usuais.

 Fratura

Aparência das superfícies que marcam a quebra de uma peça.

 Fratura por fadiga

Fratura caracterizada por estresse por fadiga. Distingue-se pela presença de linhas de repouso concêntricas no ponto de ativação e uma zona de colisão culminante.

Convulsão

Aumento abrupto no atrito de deslizamento entre duas partes mecânicas em movimento relativo, o que causa bloqueio e às vezes solda.

 Impureza

Presença no metal de uma porcentagem indesejada de elementos indesejados.

 Ampliação do grão

Aumento da forma dos grãos que compõem a matriz de metal duro. A anomalia é geralmente causada por temperatura excessiva de sinterização ou aquecimento prolongado.

 Poro

Pequena abertura arredondada aberta para o exterior.

 Resistência à fadiga

Os elementos mecânicos são frequentemente sujeitos a tensões que variam ciclicamente ao longo do tempo, ou seja, os registos de carga em que é possível identificar uma sucessão de valores máximos (picos) e mínimos (vales) alternados.

 Encolhimento

Contração da massa metálica após sinterização.

 Ruptura

Liberação das ligações internas da coesão molecular com desprendimento das partes de certas superfícies.

 Ruptura de compressão

Ruptura causada por uma ação mecânica que tende a alterar o tamanho de um corpo, de modo a reduzir seu volume, aproximando as partículas que o compõem.

 Fragmentação

Quebra de estilhaços (fragmentos cortantes ou pontiagudos).

Sinterização

Por sinterização entende-se a compactação e transformação de materiais reduzidos a pó em um composto indivisível. Este tratamento térmico é realizado a uma temperatura inferior ao ponto de fusão do material. Esta operação (também chamada de sinterização ou metal cerâmica ou metalurgia do pó) é realizada para obter produtos compactos. Graças à sinterização, é possível, a partir de materiais em pó, obter objetos com formas e tamanhos específicos que possam ser submetidos a tratamentos mecânicos e térmicos.

 Camada descarbonatada

Exaustão de carbono na superfície de um metal durante o aquecimento numa atmosfera oxidante.

 

Tensão

Tensão simples que ocorre na seção genérica de um elemento estrutural sob a ação de duas forças na planície ortogonal ao seu eixo geométrico, resultando em um torque.

Desgaste

Deterioração mecânica progressiva de uma superfície de metal em contato móvel com outro material sólido que causa o desprendimento de partículas de metal.

Widia

O nome comercial widia define uma classe de ligas de elevada dureza.

Usando as primeiras letras da palavra alemã “wie Diamant”, é obtido o termo widia, ou seja, “duro como diamante”.

Siga-nos

Categorias