News

As 3 maneiras mais comuns de cortar e perfurar carbonetos

O carboneto é um dos materiais mais difíceis e resistentes do mundo e apenas alguns outros conseguem superá-lo, entre eles o diamante. O diamante é o material mais duro de todos os tempos, sendo classificado no nível mais alto da escala de Mohs.

Consequentemente, o único material adequado para o corte de metal duro é o diamante. Com diamante natural ou sintético, são produzidos rebolos e discos de corte.

 

Corte com Disco Diamantado

Existem diferentes tipos de discos de corte no mercado. As diferenças substanciais resultam principalmente das diferentes técnicas de revestimento com diamantes.

 

Diamante com eletro-camada: são discos baratos e muito agressivos; por outro lado, têm duração limitada.

 

Discos de ligas metálicas: diferem dos discos anteriores porque o diamante é distribuído em uma matriz metálica, geralmente baseada em cobre e aplicada em um corpo de aço. Excelente capacidade de corte e longa vida útil.

 

Discos de ligas resinoides: construtivamente semelhantes aos anteriores, mas o diamante é disperso em uma resina epóxi, fenólica, poliuretano, etc. Oferecem excelente capacidade de corte e excelente acabamento superficial

 

Corte EDM (no jargão Eletroerosão)

O EDM é uma tecnologia de usinagem que utiliza as propriedades erosivas das descargas elétricas para cortar o material. Só pode ser usado em bons condutores, essencialmente metais.

 

A Eletroerosão se dividide em dois tipos:

 

Eletroerosão de corte a fio

A eletroerosão de corte a fio corta um contorno por meio de um fio metálico (eletrodo). As matrizes de extrusão são muito frequentemente usinadas por arame. Na área de usinagem, cada descarga cria um furo na peça e um impacto no fio desgastando-o ao usá-lo. O fio pode ser inclinado, permitindo cortar as peças com perfis diferentes na parte superior e inferior da peça. O fio é muito espesso em cobre revestido ou latão e tem um diâmetro entre 0,02 e 0,33 mm. O fio é trocado continuamente durante a usinagem, pois, sendo sujeito a descargas contínuas, pode quebrar.

 

 Eletroerosão por penetração

A usinagem de eletroerosão por penetração tem como objetivo usinar a peça em uma forma complementar à do eletrodo. Este procedimento envolve a criação de um eletrodo com forma negativa em relação à forma desejada que deve ser obtida durante a usinagem, de modo a obter o positivo após a eletroerosão.

 

Para perfurar, em vez disso, se utiliza uma máquina específica de afundamento chamada micro-perfuração.

 

Nesta aplicação, um tubo é usado como eletrodo para perfurar a peça. Geralmente os tubos são de pequeno diâmetro, porque através deles é bombeado o dielétrico necessário para remover as aparas do fundo da perfuração.

 

O terceiro método

Este método prevê o uso de pastilhas integrais em PCD (diamante policristalino). Na realidade, este sistema é usado apenas para aplicações específicas. Nesse caso, o tipo  de metal duro a ser trabalhado deve ser bastante resistente e com baixa dureza. Um caso típico é o processamento de matrizes de metal duro para estampagem; na verdade, o tipo de metal duro a ser trabalhado é geralmente um “G”, que é um tipo com alta porcentagem de cobalto, portanto com baixa dureza.

 

Mais informações

[1] Harry C. Moser, “Quando você deve EDM?” Charmilles Technologies Corporation

e Mikron, Lincolnshire, IL.

[2] Carl Sommer, “Entendendo o processo de eletroerosão a fio”, retirado do

Manual de Usinagem, Ferramentas e Produção, novembro de 1999.

[3] Ferramentas de diamante CVD resistentes ao desgaste para torneamento de metais sinterizados M. Belmonte, P. Ferro, AJS Fernandes, FM Costa, J. Sacramento, RF Silva

 

Intuições

[1] Wear Control Handbook, editado por MB Peterson e WO Winer, ed.ASME, 1980.

[2] JK Lankaster, em Fricção e desgaste de materiais compósitos, ed. Freds K. Elsevier

[3] Guia de boas práticas de medição nº 20 Testes mecânicos para metais duros B Roebuck, M Gee, EG Bennett e R Morrell Centro de Medição de Materiais e Tecnologia Laboratório Físico Nacional